quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Notícia do Mundo dos Cruzeiros.

Matéria sobre Recrutamento no Mês de Agosto,
extraído da Gazeta do Povo:

Agosto é mês de seleção para cruzeiros marítimos
Contratados ganham em dólar ou euro e não têm gastos com alimentação e estada. No entanto, jornada pode superar 12 horas diárias e não há descanso semanal

05/08/2009 00:05 Pedro de Castro, especial para a Gazeta do Povo

A alta temporada de cruzeiros em águas brasileiras se aproxima e com ela cresce a necessidade de pessoal para trabalhar nos navios. Outubro é o mês em que as embarcações começam a chegar à costa do país e, até lá, a tripulação precisa estar treinada, processo que leva cerca de um mês, segundo agências de seleção. Por isso, é no mês de agosto que surge o maior número de vagas para esse tipo de ocupação. A demanda é ainda maior para os navios que ficam mais de 30 dias no litoral do Brasil – norma do Ministério do Trabalho e Emprego exige que, nesses casos, pelo menos 25% da tripulação seja composta por brasileiros.

Quem embarca para trabalhar permanece por seis a oito meses na equipe de bordo e, dependendo do caso, segue com o navio para águas estrangeiras. Além de conhecer outros países, os tripulantes recebem em dólar ou euro e não arcam com estada e alimentação. Os salários estão na faixa de US$ 1,5 mil, mas as gorjetas elevam este valor para cerca de US$ 2,3 mil. “A grande maioria das pessoas nos procura por isso, juntam US$ 60 mil e saem depois de três anos para começar seu negócio. Alguns fazem carreira e chegam a ganhar US$ 8 mil como gerente”, conta Carolina Coelho, diretora da agência ISM Brasil, de Curitiba.

A contrapartida para os benefícios, porém, não é pequena. O agenciamento é gratuito – as companhias pagam uma comissão por contratado. Mas, uma vez a bordo, trabalha-se de segunda a segunda e só se folga em um turno. A jornada diária é de 12 horas na média. Em dias de embarque, ela pode chegar a 18 horas. Quem faz o alerta é Sheila Dias, diretora executiva da Infinity, de Santos. “São 3 mil pessoas embarcando e outras 3 mil desembarcando, então o trabalho é muito grande, especialmente para as camareiras”, explica. “O trabalho é exaustivo, há pessoas que não gostam. Mas a desistência é pequena e também tem muita gente que volta. Nós alertamos sobre as dificuldades, mas às vezes há pessoas que vendem [o trabalho] como se fosse um sonho”, avalia Fabiana Dorleans, diretora geral da Portside Agency Brasil, outra agência de Curitiba.

Processo seletivo
A partir do perfil requisitado pelas companhias, que varia de acordo com a função, as agências fazem uma pré-seleção e os aprovados passam pelo crivo de um representante da empresa. Ter experiência na função que se vai desempenhar é interessante, mas não imprescindível. Passar pelo processo não é garantia de emprego. No entanto, as diretoras asseguram que a recusa é baixa. “Se acontecer, temos outros cruzeiros para os quais indicar a pessoa. Nós não descansamos enquanto não conseguimos uma vaga para ela”, diz Sheila. O tripulante fica sob o regime do contrato de trabalho. Expirado seu prazo, a pessoa geralmente é chamada para uma nova empreitada, depois de dois meses ou mais.

Experiências
Ganhar bem, em dólar, e poder conhecer outros países foi uma perspectiva convincente para o empresário Guilherme Viriato. Ele passou três meses trabalhando em um navio. E só não ficou mais porque a rotina exaustiva o fez desistir. “Estava trabalhando 16 horas por dia. Conseguia dormir cinco horas – não seguidas. Eram três horas à noite e duas horas à tarde”, relata. Além disso, por vezes ele não conseguiu folgar. “Existe uma regra de que um terço da tripulação deve ficar no navio, mesmo atracado. Havia uma escala, e às vezes você era obrigado a ficar no navio bem na sua folga. Em outras, você tinha que fazer o treinamento de segurança no horário que deveria ser livre”, lembra.

A administradora de empresas Cynthia Nunes também sofreu para se adaptar à rotina. “Para trabalhar tem de ter coragem, porque é puxado. Tem de ser humilde, aceitar ordens. Os chefes são muito rígidos”, alerta. No entanto, Cynthia avalia que o saldo da experiência foi positivo. “Conheci países que, de outra forma, provavelmente não conheceria. Fiz muitos amigos de várias nacionalidades e, claro, consegui juntar um bom dinheiro.”

Experiência leva à abertura de novos negócios
Alguns ex-tripulantes de cruzeiros desembarcaram no Brasil com dólares e euros no bolso para fundar suas próprias empresas na área de agenciamento. Além das economias em moeda forte que eles conseguem trazer, a experiência do trabalho e a rede de contatos que estabelecem são fatores que facilitam e os motivam a estabelecer suas agências.

A diretora da Infinity, Sheila Dias é um desses casos. Ela trabalhou por cinco anos em cruzeiros antes de voltar definitivamente ao Brasil e começar o negócio com outros ex-tripulantes. Sheila acredita que a experiência contribui para dar mais solidez à empresa. “Como estivemos lá, e vivemos aquilo, quando falamos é com propriedade”, afirma.

Fabiana Dorleans, diretora geral da Portside Agency Brasil, tem uma história parecida. Depois de passar cinco anos trabalhando em navios, ela desembarcou de vez no país e fundou a agência com uma amiga que também estava no ramo.

Para a diretora da ISM Brasil, Carolina Coelho, que trabalhou três anos em cruzeiros antes de abrir sua empresa, seu caso e outros semelhantes são fruto de mudanças no setor de cruzeiros. “De um lado, houve um aumento do número de navios no Brasil de uns anos para cá. Além disso, em 2006 passou a valer a resolução que obriga os navios a terem 25% de tripulantes brasileiros, então houve um crescimento da demanda das companhias por agências que pudessem facilitar as contratações”, comenta.

Recrutamento
As companhias de cruzeiros contratam agências para fazer a seleção de candidatos. Veja como participar de um desses processos de recrutamento.

Portside Agency Brasil
Tem palestras todas as quintas-feiras às 19 horas, na sua sede – Rua Vereador Antônio dos Reis Cavalero, 362, Cabral. Mais informações pelos telefones (41) 3352-1001, (41) 3352-1004 e (41) 9653-7403 ou pelo site www.portsideagencia.com.br.

ISM Brasil
Tem palestras todas as quartas-feiras às 19 horas, na sua sede – Rua dos Funcionários, 906, sala 07, Centro. Mais informações pelos telefones (41) 3049-0128 e (41)3049-3316 ou pelo site www.ismagency.cl/brasil.

Infinity
Organiza seleções a partir da lista de candidatos cadastrados em seu site –
www.infinitybrazil.com. Mais informações pelos telefones (13) 3224-7734 e (13) 3224-6202.

Tira Dúvidas
O site
vidadetripulantes.blogspot.com tira dúvidas sobre trabalho em cruzeiros e traz informações sobre vagas existentes.

Olha aí, qual nao foi a minha surpresa ao ver o nosso blog indicado pela matéria! Fiquei super feliz, obrigada à vocês, leitores! Que nos seguem e recomendam!

Postado, alegremente por: Nadia
P.S.: Obrigado fiéis seguidores do blog que nos recomendam e fazem nosso blog crescer diariamente. Ass.: Fabio Pereira

Extraído do site: http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/posgraduacao/conteudo.phtml?tl=1&id=911722&tit=Agosto-e-mes-de-selecao-para-cruzeiros-maritimos



2 comentários:

Ellen disse...

Olá
então,para mim seria bem interessante a oportunidade de trabalhar em um navio,porém sou estudante,e as aulas só terminam em dezembro.
Existe alguma chance de conseguir uma vaga que durasse estritamente no período de férias de verão do hemisfério sul?

Vida de Tripulante disse...

elen, infelizmente nao. os contratos sao geralmente de 6 à 8 meses! o ideal é terminar os estudos pra depois tentar!
boa sorte! nadia

Depois de ler o blog, você ainda tem alguma duvida? se sim, em qual setor?